"Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche."

Martha Medeiros

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Sobre a perda de um amor.



'' Que você acredite que não me deve nada simplesmente porque os amores mais puros não entendem dívida, nem mágoa, nem arrependimento.

Então, que não se arrependa.
Da gente. Do que fomos. De tudo o que vivemos.
Que você me guarde na memória, mais do que nas fotos.
Que termine com a sensação de ter me degustado por completo, mas como quem sai da mesa antes da sobremesa: com a impressão que poderia ter se fartado um pouco mais..''




(Tati Bernardi)


Dos amores mais puros que se vão o que fica e predomina é a saudade. Da saudade, o que fica é aquele sentimento de poder tentado um pouco mais e saber no que daria. Quando se perde um grande amor, se perde um pedaço do coração, um pedaço de sentimento, um pedaço de pureza, um pedaço de sí mesmo. É quase uma mutilação, mas veja bem, quase. Porque uma mutilação literal não te permite reconstrução. A mutilação sentimental, sim. Reconstruir não significa recolocar tudo exatamente no lugar a que pertencia. Ás vezes, a reconstrução requer muita paciência, determinação e compreensão. Porque ao invés de colocar os braços em cima tu acaba colocando embaixo, e a cabeça pode acabar nos pés. Reconstruir significa recomeçar. A cada mutilação que sofremos, é necessário tentar se reconstruir, levantar e começar tudo de novo. Porque é necessário. Não dá pra viver em partes. Não dá pra viver na destruição. Não dá pra viver conformado em perder uma parte de sí mesmo e jamais tentar recuperá-la. Não quero dizer que a parte perdida vai ser reconstruída exatamente igual á antiga. Isso é quase impossível acontecer. Já repararam no antes e depois da reconstrução de algum prédio? O atual nunca fica igual ao antigo. Porque são necessárias mudanças, são necessárias inúmeras reformas que estejam de acordo com o momento. Acontece a mesma coisa com a gente. Se tu perde um grande amor, é necessária, depois de toda a dor, uma intensa reforma interior. Um intenso cuidado com cada sentimento mutilado e cada parte destruída. É necessário muita vontade de melhorar. Muita vontade de recomeçar do zero e reaprender a se cuidar. Não existe regra. É a lei da vida. Você se corta. Dói. Mas então você procura uma neomicina (é antibiótico, deve servir para cortes), um band-aid e cola ali. E espera o machucado e o corte desaparecerem. Tudo, tudo é questão de paciência e persistência. O corte dói por dias. Ás vezes por meses, e também, em muitos casos, por anos a fio. Os band-aids são trocados, é feita a limpeza no corte, e, mesmo assim, a dor persiste. Por isso eu digo, é necessário ser muito mais persistente que a dor. É necessário fazer todo o tratamento, se cuidar, se manter firme (mesmo que muitas vezes tenha que chorar escondida ali no canto pra ninguém perceber que ainda dói), e tentar seguir adiante. A reconstrução de um coração partido é demorada. E nem sempre se alcança a melhora desejada. Digo, quando tu te corta, fica uma cicatriz. Quando tu faz uma operação, recoloca algo no lugar, fica uma cicatriz. Seja do lado de dentro, seja do lado de fora. O que eu realmente quero dizer é que tu perde um grande amor e sai ferido. Tu sai desmontada e perdida. Mas a perda de um grande amor não pode implicar na perda de sí mesmo. Na perda de toda uma vida em função de uma pessoa que te fez feliz por momentos, meses, anos, e se foi. Se se foi, por livre e espontânea vontade, é porque era necessário. E agora, é necessário correr atrás do prejuízo. Dos destroços, do material para reeguer a estrutura abalada. O que não pode acontecer, é de parar a construção. De deixar o corte sangrar sem cuidar. Não dá pra deixar o coração da gente aos pedaços. Não vai ficar a mesma coisa depois de reformado. Nunca mais vai ser a mesma coisa. Uma pessoa entra na sua vida, te faz feliz, te completa, e vai embora. É claro que fica uma dor. Uma saudade. Um rombo. Um vazio. Mas garanto, há meios de superar. Não esquecer, não me entenda mal. Não se esquece um grande amor. Você vai se construir, tirar as partes feias, limpar o corte, recolocar o que foi mutilado e perdido no lugar. Ao longo do tempo, a dor vai amenizar. O que vai ficar do machucado causado pela perda, é uma saudade. Uma vontadezinha de ligar e perguntar como ele está. Uma vontade de saber como seria se ainda estivessem juntos. Mas você não vai ligar, e essa vontade de saber como as coisas seriam vai deixar ir embora, varrer da mente. O que se foi não volta. É necessário compreender isto para tentar se curar. Tentar deixar os alicercer firmes para o próximo vento, o próximo amor não derrubar tudo. Mas se acontecer de derrubar, você vai fazer tudo de novo. É necessário jamais perder a esperança de encontrar algum amor que vá realmente ficar. Que vá dar sentido para o significado desta palavra tão linda e tão doce: amor. Amor, dor, perda, recomeço, mudança, movimento. Tudo isto faz parte da vida. Faz parte de tudo aquilo que é necessário para chegar um dia ao que todos chamam de ''felicidade''. Muito embora eu acredite mais que felicidade tem a ver com momentos e estado de espírito do que com futuro. Por isto, de tudo que eu disse, de todas estas palavras repetidas, de todos estes assassinatos á nova reforma ortográfica e as regras de gramática e sintaxe, o que fica é o seguinte: vai doer, vai machucar, vai cortar. Você vai ser feliz por tempos e sofrer por tempos também. Algumas pessoas aparecem em sua vida para fazer parte dela por um determinado período de tempo. E então elas têm que partir, porque tu já não faz mais parte dos planos e dos caminhos dela. E você deve deixar essa pessoa partir. Vão haver inúmeras partidas ao longo de sua vida. Pessoas indo, pessoas chegando. A reconstrução interior, a renovação de sentimentos, a coragem para tentar gostar de alguém novo, deverão estar sempre presentes, junto com a paciência e a persistência. Dizem que depois da tempestade vem a calmaria e o arco-íris, e eu estou tentando acreditar nisto. E espero que você acredite também. O amor vai e vem. É necessário se machucar, cair e se reerguer muitas vezes até chegar o momento que ele vai, definitivamente, ficar. E enquanto ele não chega, você, a cada mutilação, a cada destruição, vai se reerguendo cada vez mais forte. Construindo alicerces cada vez mais firmes que vão, em determinado momento, deixar de cair e mesmo com as fortes tempestades, continuar no mesmo lugar, intacto. Nesse momento, quando parar de doer, quando parar de te derrubar e te fazer sofrer você vai descobrir a coisa mais magnífica de todas: você vai aprender, realmente, a amar.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. MEu amorzinho...
    Pode esperar, por que arco-iris vem sim...
    Sempre vem, vai por mim...
    tudo isso, são as malditas coisas da vida hhehe

    quando menos a gente espera as coisas melhoram e a tempestade passa *-*
    E até lá, tu sempre vai ter eu e aquele vinho, sempre que precisar ^^

    beijo, saudades :D

    ResponderExcluir
  3. Esse foi o texto mais lindo e o mais triste que já li por aqui.
    Chorei litros. :~

    Saudade. <3

    ResponderExcluir
  4. Me sinto exatamente assim.. agora é se reconstruir. Obrigada por compartilhar...
    Bjos

    ResponderExcluir