"Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche."

Martha Medeiros

terça-feira, 27 de setembro de 2011

You got me



Você está ligado em mim e em meus olhos que riem
Eu não consigo fingir ainda que tente esconder
Eu gosto de você, eu gosto de você

Eu acho que senti meu coração pular uma batida
Eu estou parado aqui e mal posso respirar
Você me tem, você me tem

O jeito que você pega minha mão é tão doce
E aquele seu sorriso desajeitado, me derruba

Oh eu não consigo me satisfazer
Quanto eu preciso para me preencher?
A sensação é tão boa, deve ser amor
É tudo que eu tenho sonhado
Eu desisto, me entrego. Deixo ir em frente. Vamos começar
Pois não importa o que eu faça
Meu coração está preenchido com você

Eu não consigo imaginar como seria
Viver cada dia dessa vida
Sem você, sem você

Um olhar de você, eu sei que você entende
E essa bagunça em que nos metemos está fora de controle

Oh eu não consigo me satisfazer
Quanto eu preciso para me preencher?
A sensação é tão boa, deve ser amor
É tudo com que eu tenho sonhado
Eu desisto, me entrego. Deixo ir em frente. Vamos começar
Pois não importa o que eu faça
Meu coração está preenchido com você

Eu espero que a gente sempre se sinta assim
Eu sei que a gente vai
E no coração eu sei que você sempre ficará

Oh eu não consigo me satisfazer
Eu sou uma estopa e preciso me preencher
A sensação é tão boa, deve ser amor

Eu desisto, me entrego. Deixo ir em frente. Vamos começar
Pois não importa o que eu faça
Oh eu não consigo me satisfazer
Quanto eu preciso para me preencher?
A sensação é tão boa, deve ser amor
(É tudo com que eu sonhei)

Eu desisto, me entrego. Deixo ir em frente. Vamos começar
Pois não importa o que eu faça
Meu coração está preenchido com você

Oh (oh)
Você me tem. Você me tem
Oh (oh)
Você me tem. Você me tem.

(Colbie Caillat)




E logo eu, que a vida toda escrevi textos tristes sobre amor..me vejo hoje lendo letras de músicas românticas e me identificando com elas..é, você me tem. 

domingo, 4 de setembro de 2011

Carta aos Amigos.


Acho que tenho relaxado ultimamente. Quando você entra para a faculdade, você não imagina que o pouco tempo livre que você tem das aulas você vai gastar pensando nas mesmas. Consequentemente, a maioria das outras coisas perdem espaço, e você diz a si mesma: "Amanhã eu faço, amanhã eu termino, segunda-feira eu ajeito". E o amanhã e a segunda- feira acabam não chegando nunca, sua vida passando, e você apenas ali, com seus livros, provas, trabalhos, café e o velho companheiro stress. Bem, meu ponto nesta linda noite de sábado não é este. Meu ponto esta noite são pessoas. Amigos. Alguém aí alguma vez já acordou com a sensação de estar deixando alguém para trás? Tipo, aquela vontade de ligar para todos os amigos, os de longe, os de perto, os chegados e os mais afastados e dizer, com todas as letras, que eles são importantes e fazem falta? Eu já. Na verdade, nestes últimos tempos, desde que saí do meu emprego em função da faculdade, tenho pensado muito nisto. Tenho pensado que meu tempo aqui é curto. Digo, quem de nós sabe até quando estará por aqui? Todos aqueles ditados sobre ''viva o hoje sem pensar que o amanhã vai chegar'', Renato Russo mesmo, "é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã". O que eu tenho feito? Não tenho amado as pessoas como se não houvesse amanhã. Quero dizer, eu amo, mas elas não sabem disso. Parei certa tarde para pensar em quantas pessoas que eu amo e que sinto falta e moram perto de mim. E eu simplesmente não tenho tempo de vê-las e dizer ''ei, tô aqui''. Será que eu penso que elas estarão ali para sempre? Será que não me passa pela cabeça que eu tenho que arrumar tempo? Este texto é um texto de desculpas. Se você está perdendo tempo lendo este texto cheio de erros de gramática, de concordância e assassinatos á nova reforma ortográfica e ás normas da ABNT, e é meu amigo, conhecido ou afim, aceite minhas desculpas. Minha ausência. Este texto se aplica á todas as pessoas que fizeram e fazem parte da minha vida, de forma direta ou indireta, e vale tanto para os de longe, quanto para os de perto. Me desculpem. Mas, escrevo este texto hoje porque tenho pensado em escrevê-lo há tempos. Eu gostaria que todos vocês soubessem o quanto eu os amo, e mesmo que eu não mande emails todos os dias, ou cutucadas no Facebook, ou recados no Orkut, realmente não significa que meu coração não bata mais por vocês. Pelo contrário. Eu apenas quero que cada pessoa que tem contato comigo, que ler este texto, tenha a mais plena certeza de que faz parte da minha vida e que eu realmente sinto falta. Saibam que são importantes. Que fazem diferença. Me cobrem. Me xinguem. Mas saibam o tamanho do meu sentimento, que sinceramente não cabe em um texto de blog. Mas como todos sabem, eu sempre escrevi com a alma. Então, procurei colocar neste texto pelo menos fragmentos do que sinto.
O motivo deste texto é que nos últimos dias tenho acordado sentindo falta de muitas pessoas. E pessoas que perdi o contato, que tenho pouco contato, que moram perto, que moram longe. Mas que um dia estiveram bem próximas e me deram histórias para contar. Eu realmente gostaria de deixar como mensagem final, neste texto, meus queridos amigos, que meu amor é sincero e a saudade é grande, e que jamais, independente das dificuldades e compromissos do dia-a-dia, deixo de lembrar de vocês. Apenas senti necessidade de escrever isto, para que quem ler fique sabendo. E dizer que a maior verdade do grande Renato é real: é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã.