"Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche."

Martha Medeiros

sábado, 29 de outubro de 2011

Pra ti, meu amor.


Já faz algum tempo que tento juntar algumas palavras para escrever aqui sobre você. O problema é que são tantas coisas fofas e queridas que eu gostaria de te dizer, que fica difícil organizar todas elas e me expressar de uma maneira direta. Mas eu juro que vou tentar, pois com tantos textos tristes nesse blog, acho que tu tem o direito de ter não apenas um, mas de preferência um bocado de textos falando sobre você.
Eu tinha perdido a esperança em amor, romance, felicidade, enfim, eu tinha perdido totalmente a fé nos relacionamentos, e em mim mesma, quando você apareceu. Apareceu, com esses teus olhos verdes e esse teu abraço apertado e quentinho que só tu tem. Apareceu com esse jeitinho só seu, de me cuidar, me mimar, de prestar atenção nos mínimos detalhes em mim, desde o jeito do meu olhar até ao meu tom de voz. Você me protege, você se importa, você consegue me amar exatamente pelo que eu sou, do jeito que eu sou. Consegue acordar ao meu lado de manhã, e ainda me dizer que estou linda, mesmo de pijamas e com o cabelo tipo Elba Ramalho depois da guerra. Você entende meus chiliques e não fica bravo com meus ciúmes bobos, pelo contrário, adora meu ciúmes e consegue achar bonitinho. Você deixa de beber com teus amigos só pra ficar do meu lado, mesmo que seja pra fazer nada. Você sabe dos meus gostos e cuida da minha saúde mais do que eu mesma. Você entrou na minha vida fazendo papel de anjo, meu amor. Você apareceu e me fez perceber que eu ainda tenho algo de bom e que existia realmente, em algum lugar, alguém me esperando. Esse alguém, hoje, eu tenho certeza que é tu. Você saiu de Chapada, eu saí de Lagoa Vermelha, e veja só esse destino: aqui estamos hoje, em uma cidade totalmente fora do caminho. Acredito que com a gente foi destino. Foi amor. É amor. Desde aquele nosso primeiro beijo, sei que a certeza que aquele beijo iria acarretar uma história linda não fui só eu que senti. Chega a ser engraçado o número incontável de vezes em que nos olhamos e dizemos: "Poxa, mas de onde eu te conheço hein? Faz tempo". Não parecem apenas quase 4 meses que estamos juntos. Parece muito mais. Parecem anos. E eu amo quando você fica fazendo planos para o nosso futuro. Adoro que você me inclua no seu futuro, nos seus pensamentos, no seu dia-a-dia, na sua vida. Adoro que você me apoia na minha futura profissão e admira o quanto eu amo o que eu estudo, mesmo eu fazendo você me aguentar brava, estressada e triste em épocas de prova e com as 12255.222 aulas que eu tenho durante a semana. Amor, você diz que eu fui a melhor coisa que te aconteceu. Mas eu te digo, foi tu a melhor coisa que ME aconteceu. Eu te amo de um jeito que não pensei que um dia iria amar alguém. Te amo tanto que nem sei como tu me aguenta. Te amo tanto a ponto de querer passar o resto da minha vida contigo, desde, é claro, que tu não fique barrigudo!
Tu me faz querer ser melhor, me faz querer aprender, evoluir, e me ensina algo novo todos os dias. Esse texto meloso, brega e mal escrito não tem nem metade do que eu gostaria de te dizer, e não tem nem uma terça parte do meu amor. Mas é o suficiente para você saber que sim, a gente é pra sempre. Que tem tudo pra dar certo e vai dar certo, porque muito embora eu não acredite em almas gêmeas, eu acredito em almas afins, e tenho a mais absoluta certeza que você é a minha alma afim. Obrigada por me fazer acreditar em tudo de novo meu amor, obrigada por me mostrar que esperar vale a pena e que depois da tempestade sempre tem um arco-íris lindo esperando por nós. Você é a prova viva de que é possível se apaixonar no primeiro encontro e ser feliz. Tenho por ti o mais lindo amor do mundo, meu gatinho de boina!

" Há muitos amores e paixões ao passar de nossas vidas. Com sorte, alguns encontram alguém muito especial, que pode jurar-lhe amor eterno. Outros não têm essa mesma sorte. Mas eu encontrei, e jurei para mim mesmo, que o meu amor por você é eterno. Jurei que te apoiaria, quando estivesse perdendo ou ganhando, quando estivesse na pior, na melhor, ou em qualquer outra situação. Um dia eu vou morrer, mas até meu coração parar de bater, ou até após isso, serei sempre a pessoa que mais vai te amar nesse mundo inteiro."

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Insônia


Você sofre de insônia? Eu também. Bem, não tenho aquela insônia frequente, que vem e se acomoda todas as noites juntinho comigo, ou seja, não tenho insônia crônica, ou seja lá qual for a denominação técnica para quem tem uma insônia persistente. Mas eu tenho a insônia pé no saco, a insônia inconveniente, a insônia psicológica. Aquela falta de sono que chega nas horas mais improváveis, ou nas noites em que eu realmente preciso dormir bem para acordar decente no outro dia. Eu sigo todos aqueles rituais que (dizem) ser bons para não ter insônia: tomo banho quentinho na hora de deitar, não faço exercícios físicos, não como chocolate, não tomo café (a parte mais dolorida) e não exagero na comida do jantar. Além disso, não penso nem planejo nada para o dia seguinte, apenas deito, leio 3 ou 4 páginas do livro,e então, quando eu largo o livro de mão, começa o pesadelo.
Eu viro de frente, de lado, de costas, sento, deito novamente, conto carneirinhos, livros, vacas, e nada. Então eu começo a ficar irritada. A falta de sono á noite me deixa totalmente irritada. Saio do quarto, caminho pela casa, volto para o quarto, deito. Como último remédio,volto para o livro. Leio umas 30 páginas. Largo de mão. Então chega a hora em que eu questiono a mim mesma por estar sem sono. Então começa aquele momento de reflexão da vida que todo mundo deve ter pelo menos uma vez por dia (ou semana, ou mês, para os mais bem resolvidos). Não vou dizer que ao final da minha noite, quando a falta de sono predomina, eu me sinta realizada porque consegui pensar em coisas que não consigo durante o dia, que consigo encontrar algumas (bem poucas) soluções para alguns problemas nesse momento pré sono e pós insônia. Mas posso dizer que é o momento em que fico comigo. Em que me cuido, o momento em que consigo olhar para mim mesma e ver o que há de errado. É o momento em que eu me conheço, em que eu me vejo por inteira, e em algumas das vezes, consigo enxergar alguma qualidade. Posso dizer então que os insones não são totalmente infelizes. Durante as noites sem dormir se pode escrever cartas, arrumar a estante de livros, os arquivos da faculdade, organizar as pastas do computador, pensar na vida, e ler bons livros. Tudo isso tem um bônus adicional de acordar no outro dia com algumas coisas a menos para fazer, mas com olheiras maravilhosas e um mau humor característico. Mas quem foi que disse que a insônia é um benefício? Por isso, apesar de conseguir ver o lado bom de perder o sono e ficar sonambulando pela casa, quando vejo que o bicho pega uso o bom e velho Alprazolam. Como diz Tati Bernardi: " Meus remedinhos me mantem controlada."