"Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche."

Martha Medeiros

segunda-feira, 19 de março de 2012

Meio texto.



Depois de séculos sem conseguir escrever, tudo que consegui foram algumas frases sem sentido que juntas pareceram coerentes, para mim. Inspiração danada que apareceu no trem, quando não haviam papel e caneta por perto. O que pude fazer foi anotar o que lembrava pra inspiração não sumir, como tem feito há meses. Rezo para que o hiato criativo me abandone, porque está sendo torturante não conseguir escrever.


- E tudo dói. Doem essas mudanças todas. Essas partidas repentinas e essas chegadas inesperadas. Doem essas incertezas e responsabilidades sem fim. Dói o medo do desconhecido e do que já é conhecido até demais. Doem as saudades e as ausências. Doem os nãos. Dói o medo de não superar, da ferida não cicatrizar e o choro vencer. Ai espera-se nascer outro dia, pra que tudo recomece, na esperança de que em algum amanhecer, as coisas dêem certo.